Consumo saudável

Hortas comunitárias são a aposta na produção de alimentos sem agrotóxicos em Joinville

Moradores do Jardim Iririú usam o tempo livre para colaborar com o plantio, manutenção e colheita destas plantas.

“Muita gente pequena, em muitos lugares pequenos, fazendo coisas pequenas, mudam a face da terra”.

A frase é de um provérbio africano e já se impõe na entrada de uma horta comunitária instalada no Jardim Iririú. Este é apenas um exemplo de que muitos joinvilenses estão se organizando para produzir em conjunto legumes e hortaliças. A plantação é toda sem agrotóxicos. Lá, são 2 mil m² preenchidos com canteiros de verduras e legumes e pomares com árvores frutíferas. Os próprios moradores usam o tempo livre para colaborar com o plantio, manutenção e colheita destas plantas. A proposta veio do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) com o objetivo de instalar quatro unidades em Joinville a partir de 2009. Três delas já estão a pleno vapor, produzindo e tomando cada vez mais a forma de hortas. A última deve sair do papel até o começo de 2012. O bairro contemplado é o Adhemar Garcia. A ideia das hortas comunitárias é bem simples: a Prefeitura cede os terrenos, o MDS, as sementes; órgãos municipais de fomento à agricultura doam os insumos; e os moradores colaboram com a mão de obra. O resultado é banquete bom para os olhos e para o apetite. Cada “agricultor” pode levar para casa o quanto quiser das verduras e dos legumes produzidos.

— O excedente é vendido para verdureiras locais. Tudo aqui é cultivado sem veneno nenhum —, diz a coordenadora de abastecimento e comercialização da Fundação 25 de Julho, Sirley Goedert.

No Adhemar Garcia, o processo ainda está na fase inicial com a escolha do terreno. Em princípio, segundo Sirley, a horta será instalada ao lado do novo Cras, localizado na rua Alvino Hansen, perto do Caic. A irmã franciscana Marilete Rover é uma das coordenadoras da horta do Jardim Iririú, que servirá de exemplo à unidade da zona Sul. Ela se considera feliz com o resultado destes anos de trabalho com a plantação. Vinte e oito pessoas participam do projeto, doando parte do tempo livre ou os que assumem a plantação como projetos de vida. Para Marilete, esse projeto, além de ajudar na alimentação das famílias, também colabora para que as pessoas possam colher alimentos produzidos por elas. Fonte: http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&local=18&section=Geral&newsID=a3537479.xml

_______________________________________

As Vantagens dos alimentos orgânicos.

Os alimentos orgânicos são produzidos sem o uso de pesticidas convencionais nem fertilizantes químicos. Devem ser livres de contaminação de dejetos humanos e do “lixo” industrial. Não podem ser produzidos com o uso de aditivos químicos para realçar cor, sabor, formato ou aroma. Usar radiação ionizante como forma de preservação também é proibido. No caso de animais vivos destinados ao abate, o uso de antibióticos, hormônios e anabolizantes é estritamente proibido. Em muitos países, o animal herbívoro deve ser alimentado exclusivamente com pasto, sem período de alimentação forçada para elevar o peso de abate no período de confinamento. Outros países estipulam que o uso de vegetais geneticamente modificados não pode ser empregado nos animais destinados ao abate.

Atualmente, os Estados Unidos, a União Européia, o Canadá e o Japão, entre outros países, exigem certificação por entidades autônomas de que o produto chamado de orgânico possa ser liberado para consumo e indicado como tal. Os alimentos orgânicos foram inicialmente produzidos em pequenas fazendas, preocupadas em evitar contaminação química dos vegetais ali produzidos. No entanto, o valor comercial do alimento orgânico superou em cerca de 20% o dos produtos convencionais, estimulando outros produtores a aderir a esse setor. Em 2008, a venda de alimentos orgânicos atingiu cerca de 2% do total destinado a consumo humano. Foto acima: Colheita de inverno no Sítio Curupira, por Simone Dalcin.

O impacto ambiental dos orgânicos

Geralmente os alimentos orgânicos são produzidos em pequenas propriedades, muitas vezes por uma única família, que se organiza para o plantio, cultivo, colheita e venda ao consumidor. Nessas circunstâncias as pequenas fazendas são muito menos poluentes que as grandes propriedades. Não são usados pesticidas e herbicidas químicos. Portanto, não há contaminação ambiental. Os ecossistemas são preservados, existe equilíbrio entre a parte agricultural e outras plantas e vegetais, insetos, bactérias, fungos e minhocas. A produção de alimentos orgânicos usa menos energia e, por isso, a perda de material nutritivo é menor. Também não há o problema do descarte dos invólucros de produtos químicos.

O maior inconveniente é que o cultivo de produtos orgânicos tem uma produção cerca de 20% menor do que a agricultura tradicional. Dependendo do tipo do alimento, essa produção pode ser 50% menor do que a convencional. Mas é preciso considerar que o uso sistemático de herbicidas e pesticidas pode afetar a saúde dos trabalhadores na agricultura tradicional. Produtos químicos como inseticidas organo-fosforados são danosos à saúde, principalmente agindo “quebradores” de sistemas hormonais. Os resíduos de inseticidas podem permanecer nos alimentos e são particularmente danosos para a população infantil. Vale lembrar que, mesmo no caso dos orgânicos, alguns pesticidas também orgânicos podem ser utilizados, como os que são criados a partir de inimigos naturais de insetos (como fungos, por exemplo).

Vantagens nutricionais dessa escolha

O cuidadoso manejo agrícola dos alimentos orgânicos garante maior valor nutricional a esses alimentos. Em 2007, um gigantesco estudo realizado nos Estados Unidos concluiu que alimentos orgânicos contêm cerca de 40% a mais de antioxidantes do que os cultivados de forma tradicional. O valor nutricional das frutas, por exemplo, incluiu maior concentração de frutose (o que deixou as frutas mais doces), de vitamina C e de potássio – e, mais importante, ausência de contaminação de herbicidas e pesticidas.

Vários estudos vêm apontando para a presença de resíduos de produtos químicos usados em agricultura tradicional, em alimentos que fazem parte de nossa alimentação do dia-a-dia, tanto para adultos como para as crianças. Quando se comparam alimentos orgânicos com os tradicionais, confirma-se que nesses últimos existem resíduos de pesticidas potencialmente nocivos às crianças em desenvolvimento e crescimento. Esse grande obstáculo ao consumo de alimentos convencionais poderia ser contornado com o uso judicioso e cada vez menor de tais agentes químicos em agricultura. Os institutos de pesquisa do Brasil (como a Embrapa) e no mundo estão muito interessados em achar inimigos naturais de insetos predadores e controlar a destruição de colheitas por meio de métodos biológicos. Este é o futuro da agricultura racional, protetora do ambiente e do ecossistema.

O custo dos orgânicos é elevado

Como já foi demonstrado, um dos obstáculos ao uso generalizado de alimentos orgânicos é o seu alto custo. Dependendo do tipo de cultivo, do produto agrícola, do tamanho de área cultivada e da mão-de-obra necessária, o custo do orgânico pode ser de 10% a 40% mais caro que na agricultura tradicional. Tal custo torna proibitivo o consumo generalizado de alimentos orgânicos e apenas uma minoria da população pode ter acesso a este tipo de alimento. O que encarece ainda mais o alimento orgânico é a distribuição ao varejo – o custo fica mais elevado devido às pequenas quantidades oferecidas.

Vale lembrar ainda que existe a possibilidade de haver fraude, ou seja, o produtor indicar como orgânico o alimento que não foi produzido dentro de normas condizentes com o que chamamos de agricultura orgânica, isenta de produtos químicos. Por causa do preço mais elevado dos orgânicos, não faltam produtores “espertinhos” que tentam vender por preço mais alto o que produziram com herbicidas, pesticidas e outros produtos químicos. Tanto na União Européia como nos Estados Unidos, Canadá e Japão existem órgãos certificadores que garantem que o produto é realmente orgânico. No Brasil também existe um iInstituto que controla a produção e comercialização desse tipo de alimento. É só com essa certificação que temos certeza de que estamos consumindo um verdadeiro orgânico, com benefícios nutricionais tanto para adultos como para crianças. Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/nutricao-homo-obesus/

Onde encontrar produtos orgânicos aqui em Santa Catarina.

Tabela_Produtores_SC_Organicos

_________________________________

Plantas Alimentícias Não-Convencionais: um cardápio para romper com a monotonia alimentar.

O Projeto PANCs, elaborado pela nutricionista Irany Arteche para assentados do MST/RS e promovido pela Superintendência da CONAB/PNUD, com oficinas ministradas pelo botânico Valdely Kynupp sobre plantas com grande potencial alimentício e de comercialização, mas que costumam ser negligenciadas. “Somos xenófilos, o brasileiro não come a biodiversidade que tem”, adverte Valdely.

O objetivo do registro é colaborar na divulgação desta experiência para outros assentamentos de reforma agrária e organizações de agricultores familiares nas diferentes regiões do Brasil. Servirá como material pedagógico para cursos que tratem de alternativas para agricultura familiar, segurança alimentar e nutricional, diversificação agrícola, processamento de novos produtos e alimentos.

Kinupp, em sua tese de doutorado, estudou 1.500 espécies dessas plantas na Região Metropolitana de Porto Alegre e apontou cerca de 311 com potencial alimentício, descobrindo que pelo menos 100 delas têm grande potencial para enriquecer nossa alimentação, gerar renda e ainda conservar a natureza. São plantas que nascem de forma espontânea e podem ser encontradas, com facilidade, em qualquer beira de estrada, terrenos baldios, hortas e áreas cultivadas, bem como nas florestas nativas. Fonte: http://coletivocatarse.blogspot.com/2010/04/projeto-pancs-soberania-alimentar-e.html

_________________________________

cartilha15Cartilha sobre os benefícios dos alimentos orgânicos.

Amigos, há tempo que venho alertado sobre os perigos dos alimentos transgênicos ou cultivados com agrotóxico no site do Curupira, finalmente o Ministério da Agricultura lançou uma cartilha informando a população sobre os benefícios de alimentos livres de agrotóxicos, bem como sobre a questão dos produtos transgênicos que “colocam em risco a diversidade de variedades que existem na natureza”. A cartilha foi ilustrada pelo Cartunista Ziraldo e ainda é possível encontrá-la no site: http://www.aba-agroecologia.org.br/aba2/images/pdf/cartilha_ziraldo.pdfVamos fazer nossa parte e distribuir pela internet o maior número possível da mesma. Obrigado a todos.

___________________________ 

…mas pra que tanta soja?

sojaEntrevista com Sonia Hirsch: pesquisadora, jornalista e escritora especializada em promoção da saúde. Fonte:http://correcotia.com/soja/soja-entrevista.htm 

Sonia Hirsch, você agora é contra a soja?  

Nunca fui a favor, a não ser nas formas fermentadas: misso, shoyu, tempê, natô. Já no meu primeiro livro, Prato feito, que é de 1983, aviso que a soja não deve ser consumida como feijão.

Mas seus livros dão muitas receitas de tofu.

 Tofu é bom de vez em quando, porque parte da acidez da soja sai no soro. O tofu é feito de leite de soja talhado. Funciona muito bem para substituir o queijo quando a gente está querendo parar de comer laticínios, mas não dá para abusar. O mundinho natural e macrô adora, mas eu mesma como pouco, porque minha pele não gosta.

E a carne de soja? Você dá uma receita de picadinho de carne de soja no Prato feito.

Essa receita foi uma exceção, é a única que você encontra em todo o meu trabalho. Está lá como uma homenagem ao Bira, cozinheiro macrô que morou muito tempo no Rio e ficou famoso pelo picadinho. Eu mesma já não gostava de carne de soja na época, início dos anos 80; achava aquele negócio muito esquisito. Mas o Bira fez o picadinho num evento do Circo Voador na Quinta da Boa Vista, a galera gostou e eu pensei: vou botar a receita, afinal ele merece… Depois fiz a autocrítica no próprio livro, a partir da décima edição. Demorou

Mas afinal, por que você está revoltada com a soja?

Estou revoltada com o uso que estão fazendo dela. Porque o consumo liberal de soja é muito prejudicial à saúde, tanto em forma de comida e bebida quanto em fórmulas farmacêuticas para suplementação hormonal.

Prejudicial, como assim? A soja não é o tesouro da Ásia?

O cultivo da soja na Ásia é muito antigo, tanto que ela é um dos cinco grãos sagrados dos chineses, junto com arroz, trigo, cevada e painço; mas não para fins alimentares. Seu dom é agrícola. Por ser muito rica em proteínas, a soja, que é uma leguminosa como todos os feijões, é também muito rica em nitrogênio, elemento essencial para a fertilidade do solo. Plantar a soja entre as outras culturas e cortá-la quando as favas de feijão se formam, deixando-a apodrecer no solo, traz o maior benefício para a lavoura. Sem ela a terra se esgotaria. Como alimento, porém, ela tem inúmeros inconvenientes. Como todos os feijões, mas muito mais acentuados.

Os feijões são inconvenientes?

Hipócrates já dizia que os feijões são tão ricos em nutrientes que poderíamos viver só deles – se não fossem tão tóxicos. Por isso, recomendava comer os feijões em pequena quantidade e sempre acompanhados por algum cereal, para equilibrá-los. A uma pessoa doente, Hipócrates proibia os feijões. O dr. Barcellos, médico, em sua dieta contra o câncer e todas as alergias, proíbe os feijões todos. Inclusive o amendoim e os feijões verdes, como a vagem, a ervilha fresca, o petit-pois. Aponta como problema a qualidade extremamente ácida e tóxica das proteínas dos feijões. E realmente, se você pára de comer feijão as indisposições melhoram. Feijão é coisa para gente saudável!

Mas e a soja?

Então, a soja é o mais protéico de todos os feijões, por isso o mais tóxico. Hoje existem muitos estudos esclarecendo vários pontos. Um: a soja contém altos níveis de ácido fítico, ou fitatos, que reduzem a assimilação de cálcio, magnésio, cobre, ferro e zinco em adultos e crianças, prejudicando a saúde e o crescimento. E os métodos convencionais, como deixar de molho, germinar os grãos ou cozinhar longamente em fogo baixo, não neutralizam o ácido fítico da soja; somente a fermentação tem esse poder. Dois: a soja contém inibidores de tripsina que interferem na digestão das proteínas e podem causar distúrbios pancreáticos e retardo no crescimento. Três: desde 1953 é conhecido o impacto negativo das isoflavonas sobre a saúde humana. A esse respeito, você encontra uma lista de 150 estudos científicos que não podem ser ignorados em http://www.westonaprice.org/soy/dangersisoflavones.html#studies .

Mas as isoflavonas não são fitoestrógenos, bons para reposição hormonal?

Os fitoestrógenos da soja atrapalham as funções endócrinas, têm o potencial de causar infertilidade e de promover câncer de seio em mulheres adultas. São poderosos agentes inibidores da tiróide, causando hipotiroidismo e podendo provocar câncer de tiróide.

Nesse caso, as mulheres japonesas, que consomem tanta soja, não deveriam estar mal de saúde?  

Pra começar, elas não consomem tanta soja; vivem muito mais de arroz, algas marinhas, vegetais, peixes e frutos do mar. Da soja usam basicamente misso, que é a massa fermentada e salgada de soja; shoyu ou tamari, que são molhos fermentados de soja; e nattô, que é o próprio feijão de soja fermentado, com gosto e sabor fortíssimos. Aqui, ao contrário, as pessoas estão usando qualquer coisa de soja achando que é bom – leite de soja, tofu, proteína de soja, extratos de soja. Uma japonesa obtém da soja uma média de 10 mg de isoflavonas por dia. As brasileiras estão ingerindo por dia 150 mg de isoflavonas (genisteína, genistina, daidzaína) em cápsulas, ou seja, dez vezes mais do que a média das japoneses consome.

Mas elas têm menos câncer de seios e ovários.

Sim, mas é porque a alimentação delas, como um todo, é menos rica em estrogênio e seus análogos do que a dieta ocidental, abundante demais em leite, laticínios, carne vermelha, frango e ovos, todos conectadíssimos ao surgimento de doenças crônicas e degenerativas.

E os milhões de crianças que se alimentam de leite de soja, correm algum risco?

Vários. Um deles é o desenvolvimento de distúrbios na tiróide. Não sei se você notou que há uma epidemia de problemas na tiróide hoje em dia. De onde vem isso? Do stress, mas também da alimentação. Um estudo mostra que bastam 30 g de tofu por dia, durante um mês, para causar problemas na tiróide.

Um ponto positivo parece ser a presença de uma forma de vitamina B12 na soja…

A vitamina B12 só existe nos organismos animais. A gente produz B12 dentro do corpo. Nos vegetais você a encontra em uma ou outra microalga, ou então em forma análoga. Acontece que os análogos da vitamina B12 que a soja contém não são absorvidos e ainda aumentam a necessidade de B12 no organismo. Pior: comidas à base de soja aumentam também a necessidade de vitamina D.

E a proteína da soja, serve para alguma coisa?

Não entendo por que alguém vai querer uma proteína tão desnaturada, já que é processada em alta temperatura até virar proteína isolada de soja, proteína vegetal texturizada. O processamento da proteína de soja resulta na formação da tóxica lisinoalanina e das altamente carcinogênicas nitrosaminas. Fora um conteúdo extra de alumínio em grande quantidade – e o alumínio é tóxico para o sistema nervoso, para os rins, para a medula óssea…

Você tem mais algum horror pra contar sobre a soja?

Só mais um: o ácido glutâmico livre, MSG, GMS, glutamato monossódico ou simplesmente glutamato de sódio, é uma poderosa neurotoxina formada naturalmente durante o processamento da soja. Estimula a tal ponto nossos receptores de sabor no cérebro que pode matar neurônios. São documentados os casos de morte súbita por excitotoxinas, outro apelido dessas neurotoxinas, entre as quais se inclui o aspartame. Ainda assim, esse derivado da soja está espalhado por inúmeros produtos industrializados (bem como o aspartame). E nos próprios alimentos à base de soja, mais glutamato é adicionado para realçar o sabor sem que seja preciso avisar no rótulo, já que se trata de um derivado “natural” da soja, então a lei dispensa.

Como se pode evitar o consumo de glutamato?

Lendo os rótulos, evitando produtos industrializados, preferindo comer o que está ainda na sua forma natural. E, num restaurante japonês, pedindo missoshiro sem ajinomoto, que é o próprio glutamato. Eles tentam recusar, porque a sopa de misso já está pronta, mas você repete com firmeza e eles preparam outra na hora. Não existe nada mais fácil, saudável e nutritivo do que uma missoshiro: o lado maravilhoso da soja.

___________________________________________________

A História das Coisas (Dublado em Português).

 

IMPERDÍVEL, DIVERTIDO, REVELADOR, NÃO DEIXEM DE ASSISTIR “A HISTÓRIA DAS COISAS”, AGORA DUBLADO EM PORTUGUÊS. Uma iniciativa da comunidade de Permacultura do Orkut.

Desde a sua extração até à venda, uso e disposição, todas as coisas que compramos e usamos na nossa vida afetam a sociedade no nosso país em outros países, mas a maioria disto é propositadamente escondido dos nossos olhos pelas empresas e políticos. A História das Coisas é um documentário de 20 minutos, rápido e repleto de fatos, que olha para o interior dos padrões do nosso sistema de extração, produção, consumo e lixo. A História das Coisas expõe as conexões entre um enorme número de importantes questões ambientais e sociais, demonstrando que estamos destruindo o mundo e auto destruindo-nos, e assim apela a criarmos um mundo mais sustentável e justo para todos e para o planeta Terra. Este documentário vai nos ensinar algo, e acabará por mudar para sempre a maneira como olhamos para todas as coisas que existem na nossa vida e que CONSUMIMOS.

___________________________________________________

O IMPÉRIO DO CONSUMO

A explosão do consumo no mundo atual faz mais barulho do que todas as guerras e mais algazarra do que todos os carnavais. Como diz um velho provérbio turco, aquele que bebe a conta, fica bêbado em dobro. A gandaia aturde e anuvia o olhar; esta grande bebedeira universal parece não ter limites no tempo nem no espaço. Mas a cultura de consumo faz muito barulho, assim como o tambor, porque está vazia; e na hora da verdade, quando o estrondo cessa e acaba a festa, o bêbado acorda, sozinho, acompanhado pela sua sombra e pelos pratos quebrados que deve pagar. A expansão da demanda se choca com as fronteiras impostas pelo mesmo sistema que a gera.

O sistema precisa de mercados cada vez mais abertos e mais amplos tanto quanto os pulmões precisam de ar e, ao mesmo tempo, requer que estejam no chão, como estão, os preços das matérias primas e da força de trabalho humana. O sistema fala em nome de todos, dirige a todos suas imperiosas ordens de consumo, entre todos espalha a febre compradora; mas não tem jeito: para quase todo o mundo esta aventura começa e termina na telinha da TV. A maioria, que contrai dívidas para ter coisas, termina tendo apenas dívidas para pagar suas dívidas que geram novas dívidas, e acaba consumindo fantasias que, às vezes, materializa cometendo delitos. O direito ao desperdício, privilégio de poucos, afirma ser a liberdade de todos. Texto continua após o video abaixo.

______________________________________________________________

SURPLUS

Por que o estilo de vida consumista causa tanto ódio em alguns?
Será que o privilégio de consumir está realmente nos conduzindo a um mundo de felicidade?
De onde vem esse sentimento de vazio que toma de assalto as “classes privilegiadas” (e o chamado “Primeiro Mundo”) apesar de toda a sua riqueza?
Uma intensa odisséia visual filmada ao longo de três anos em oito países.
Desde os confrontos das manifestações em Gênova, em 2001, passando pelos cemitérios de navios indianos operados com a mão de obra semi-escrava, até as bonecas sexuais de silicone de 7.000 dólares da América, Surplus explora a natureza destrutiva da Sociedade do Consumo
Em um mundo controlado por cínicos líderes mundiais e fanáticos pelo lucro ilimitado, este filme é um controverso retrato das instituições que estão levando a todos rumo ao apocalipse desenvolvimentista.
____________________________________________________________________

“Gente infeliz, essa que vive se comparando”, lamenta uma mulher no bairro de Buceo, em Montevidéu. A dor de já não ser, que outrora cantava o tango, deu lugar à vergonha de não ter. Um homem pobre é um pobre homem. “Quando não tens nada, pensas que não vales nada”, diz um rapaz no bairro Villa Fiorito, em Buenos Aires. E outro confirma, na cidade dominicana de San Francisco de Macorís: “Meus irmãos trabalham para as marcas. Vivem comprando etiquetas, e vivem suando feito loucos para pagar as prestações”. Esta civilização não deixa as flores dormirem, nem as galinhas, nem as pessoas. Nas estufas, as flores estão expostas à luz contínua, para fazer com que cresçam mais rapidamente. Nas fábricas de ovos, a noite também está proibida para as galinhas. E as pessoas estão condenadas à insônia, pela ansiedade de comprar e pela angústia de pagar. Este modo de vida não é muito bom para as pessoas, mas é muito bom para a indústria farmacêutica. Os EUA consomem metade dos calmantes, ansiolíticos e demais drogas químicas que são vendidas legalmente no mundo; e mais da metade das drogas proibidas que são vendidas ilegalmente, o que não é uma coisinha à-toa quando se leva em conta que os EUA contam com apenas cinco por cento da população mundial.

Invisível violência do mercado: a diversidade é inimiga da rentabilidade, e a uniformidade é que manda. A produção em série, em escala gigantesca, impõe em todas partes suas pautas obrigatórias de consumo. Esta ditadura da uniformização obrigatória é mais devastadora do que qualquer ditadura do partido único: impõe, no mundo inteiro, um modo de vida que reproduz seres humanos como fotocópias do consumidor exemplar. O consumidor exemplar é o homem quieto. Esta civilização, que confunde quantidade com qualidade, confunde gordura com boa alimentação. Segundo a revista científica The Lancet, na última década a `obesidade mórbida` aumentou quase 30% entre a população jovem dos países mais desenvolvidos. Entre as crianças norte-americanas, a obesidade aumentou 40% nos últimos dezesseis anos, segundo pesquisa recente do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Colorado. O país que inventou as comidas e bebidas light, os diet food e os alimentos fat free, tem a maior quantidade de gordos do mundo. O consumidor exemplar desce do carro só para trabalhar e para assistir televisão. Sentado na frente da telinha, passa quatro horas por dia devorando comida plástica. O McDonald´s viola, assim, um direito legalmente consagrado nos muitos países onde opera. Em 1997, alguns trabalhadores, membros disso que a empresa chama de Macfamília, tentaram sindicalizar-se em um restaurante de Montreal, no Canadá: o restaurante fechou. Mas, em 98, outros empregados do McDonald´s, em uma pequena cidade próxima a Vancouver, conseguiram essa conquista, digna do Guinness. Qualquer um entende, em qualquer lugar, as mensagens que a televisão transmite. No último quarto de século, os gastos em propaganda dobraram no mundo todo. Graças a isso, as crianças pobres bebem cada vez mais Coca-Cola e cada vez menos leite e o tempo de lazer vai se tornando tempo de consumo obrigatório. Tempo livre, tempo prisioneiro: as casas muito pobres não têm cama, mas têm televisão, e a televisão está com a palavra. Comprado em prestações, esse animalzinho é uma prova da vocação democrática do progresso: não escuta ninguém, mas fala para todos.

Copa do Mundo de futebol de 1998 confirmou para nós, entre outras coisas, que o cartão MasterCard tonifica os músculos, que a Coca-Cola proporciona eterna juventude e que o cardápio do McDonald´s não pode faltar na barriga de um bom atleta. O imenso exército do McDonald´s dispara hambúrgueres nas bocas das crianças e dos adultos no planeta inteiro. O duplo arco dessa M serviu como estandarte, durante a recente conquista dos países do Leste Europeu. As filas na frente do McDonald´s de Moscou, inaugurado em 1990 com bandas e fanfarras, simbolizaram a vitória do Ocidente com tanta eloqüência quanto a queda do Muro de Berlim. Um sinal dos tempos: essa empresa, que encarna as virtudes do mundo livre, nega aos seus empregados a liberdade de filiar-se a qualquer sindicato.

Pobres e ricos conhecem, assim, as qualidades dos automóveis do último modelo, e pobres e ricos ficam sabendo das vantajosas taxas de juros que tal ou qual banco oferece. Os especialistas sabem transformar as mercadorias em mágicos conjuntos contra a solidão. As coisas possuem atributos humanos: acariciam, fazem companhia, compreendem, ajudam, o perfume te beija e o carro é o amigo que nunca falha. A cultura do consumo fez da solidão o mais lucrativo dos mercados. Os buracos no peito são preenchidos enchendo-os de coisas, ou sonhando com fazer isso. E as coisas não só podem abraçar: elas também podem ser símbolos de ascensão social, salvo-condutos para atravessar as alfândegas da sociedade de classes, chaves que abrem as portas proibidas. Quanto mais exclusivas, melhor: as coisas escolhem você e salvam você do anonimato das multidões. A publicidade não informa sobre o produto que vende, ou faz isso muito raramente. Isso é o que menos importa. Sua função primordial consiste em compensar frustrações e alimentar fantasias. Comprando este creme de barbear, você quer se transformar em quem?O criminologista Anthony Platt observou que os delitos das ruas não são fruto somente da extrema pobreza. Também são fruto da ética individualista. A obsessão social pelo sucesso, diz Platt, incide decisivamente sobre a apropriação ilegal das coisas. Eu sempre ouvi dizer que o dinheiro não trás felicidade; mas qualquer pobre que assista televisão tem motivos de sobra para acreditar que o dinheiro trás algo tão parecido que a diferença é assunto para especialistas.Segundo o historiador Eric Hobsbawm, o século XX marcou o fim de sete mil anos de vida humana centrada na agricultura, desde que apareceram os primeiros cultivos, no final do paleolítico. A população mundial torna-se urbana, os camponeses tornam-se cidadãos. Na América Latina temos campos sem ninguém e enormes formigueiros urbanos: as maiores cidades do mundo, e as mais injustas. Expulsos pela agricultura moderna de exportação e pela erosão das suas terras, os camponeses invadem os subúrbios. Eles acreditam que Deus está em todas partes, mas por experiência própria sabem que atende nos grandes centros urbanos.As cidades prometem trabalho, prosperidade, um futuro para os filhos. Nos campos, os esperadores olham a vida passar, e morrem bocejando; nas cidades, a vida acontece e chama. Amontoados em cortiços, a primeira coisa que os recém chegados descobrem é que o trabalho falta e os braços sobram, que nada é de graça e que os artigos de luxo mais caros são o ar e o silêncio.Enquanto o século XIV nascia, o padre Giordano da Rivalto pronunciou, em Florença, um elogio das cidades. Disse que as cidades cresciam `porque as pessoas sentem gosto em juntar-se`. Juntar-se, encontrar-se. Mas, quem encontra com quem? A esperança encontra-se com a realidade? O desejo, encontra-se com o mundo? E as pessoas, encontram-se com as pessoas?Se as relações humanas foram reduzidas a relações entre coisas, quanta gente encontra-se com as coisas?O mundo inteiro tende a transformar-se em uma grande tela de televisão, na qual as coisas se olham mas não se tocam. As mercadorias em oferta invadem e privatizam os espaços públicos.Os terminais de ônibus e as estações de trens, que até pouco tempo atrás eram espaços de encontro entre pessoas, estão se transformando, agora, em espaços de exibição comercial. O shopping center, o centro comercial, vitrine de todas as vitrines, impõe sua presença esmagadora. As multidões concorrem, em peregrinação, a esse templo maior das missas do consumo. A maioria dos devotos contempla, em êxtase, as coisas que seus bolsos não podem pagar, enquanto a minoria compradora é submetida ao bombardeio da oferta incessante e extenuante. A multidão, que sobe e desce pelas escadas mecânicas, viaja pelo mundo: os manequins vestem como em Milão ou Paris e as máquinas soam como em Chicago; e para ver e ouvir não é preciso pagar passagem. Os turistas vindos das cidades do interior, ou das cidades que ainda não mereceram estas benesses da felicidade moderna, posam para a foto, aos pés das marcas internacionais mais famosas, tal e como antes posavam aos pés da estátua do prócer na praça.Beatriz Solano observou que os habitantes dos bairros suburbanos vão ao center, ao shopping center, como antes iam até o centro. O tradicional passeio do fim-de-semana até o centro da cidade tende a ser substituído pela excursão até esses centros urbanos. De banho tomado, arrumados e penteados, vestidos com suas melhores galas, os visitantes vêm para uma festa à qual não foram convidados, mas podem olhar tudo. Famílias inteiras empreendem a viagem na cápsula espacial que percorre o universo do consumo, onde a estética do mercado desenhou uma paisagem alucinante de modelos, marcas e etiquetas.A cultura do consumo, cultura do efêmero, condena tudo à descartabilidade midiática. Tudo muda no ritmo vertiginoso da moda, colocada à serviço da necessidade de vender. As coisas envelhecem num piscar de olhos, para serem substituídas por outras coisas de vida fugaz. Hoje, quando o único que permanece é a insegurança, as mercadorias, fabricadas para não durar, são tão voláteis quanto o capital que as financia e o trabalho que as gera. O dinheiro voa na velocidade da luz: ontem estava lá, hoje está aqui, amanhã quem sabe onde, e todo trabalhador é um desempregado em potencial.Paradoxalmente, os shoppings centers, reinos da fugacidade, oferecem a mais bem-sucedida ilusão de segurança. Eles resistem fora do tempo, sem idade e sem raiz, sem noite e sem dia e sem memória, e existem fora do espaço, além das turbulências da perigosa realidade do mundo.Os donos do mundo usam o mundo como se fosse descartável: uma mercadoria de vida efêmera, que se esgota assim como se esgotam, pouco depois de nascer, as imagens disparadas pela metralhadora da televisão e as modas e os ídolos que a publicidade lança, sem pausa, no mercado. Mas, para qual outro mundo vamos nos mudar? Estamos todos obrigados a acreditar na historinha de que Deus vendeu o planeta para umas poucas empresas porque, estando de mau humor, decidiu privatizar o universo? A sociedade de consumo é uma armadilha para pegar bobos.Aqueles que comandam o jogo fazem de conta que não sabem disso, mas qualquer um que tenha olhos na cara pode ver que a grande maioria das pessoas consome pouco, pouquinho e nada, necessariamente, para garantir a existência da pouca natureza que nos resta. A injustiça social não é um erro por corrigir, nem um defeito por superar: é uma necessidade essencial. Não existe natureza capaz de alimentar um shopping center do tamanho do planeta.Eduardo Galeano (escritor)


5 pensamentos sobre “Consumo saudável

  1. Pingback: Novidades nas páginas do Curupira « Sítio Curupira

  2. Sou estagiária de Serviço Social, meu projeto de intervenção foi elaborado em uma horta comunitária no CRAS onde estou estagiando atualmente, estou encantada com o projeto que vocês fizeram, é exatamente essa técnica que quero trabalhar com crianças em situação de risco e vulnerabilidade social, com a intenção de tirá-las da rua no período em que não estão na escola, trabalhando a horta juntamente com elas e seus familiares, espero conseguir chamar atenção dos pequenos, em conjunto com seus familiares a importância de se ter uma horta em casa, ensinado-os que em qualquer lugar, qualquer um pode cultivar verduras, chás, legumes entre outros. Parabéns a vocês, são pessoas como nós que conseguimos fazer com que a vida dessas pessoas sejam mais prazerosas e que eles se sintam mais úteis na sociedade em que vivem.
    Abraços Sirlei Eliani.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s